29 de janeiro de 2007

Traição

Meus pensamentos me traem quando eu mais preciso de minha razão. Queria ser forte o suficiente pra não pensar em todas aquelas coisas que já pensei. Mas meu subconsciente foge a regra e já acordo quando você volta ao pensamento, e continuo com isso em mente o resto do dia.
Dói de certa forma, não ser dono de si. Dói de certa forma, não saber agir.
Eu só espero um motivo para parar de ser assim.
Mas mesmo que este seja evidente, talvez meus pensamentos se recusem a ver.
Estou traindo minha razão.

3 comentários:

X-cão disse...

Meia noite. Ao meu quarto me recolho.
Meu Deus! E este morcego! E, agora, vêde:
Na bruta ardência orgânica da sede,
Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.


"Vou mandar levantar outra parede..."
— Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho
E olho o tecto. E vejo-o ainda, igual a um olho,
Circularmente sobre a minha rede!


Pego de um pau. Esforços faço. Chego
A tocá-lo. Minh'alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?!


A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite, ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

X-cão disse...

Augusto dos Anjos rula!

Anônimo disse...

Re

Oi Ni. Pow, prefiro o outro blog, ou pelo menos o estilo dele. Aqui tá parecendo um jornal. Muito impessoal, pow. O outro tá mais você. ;)
Bjo...te adoro...